DO ACRE PARA O MUNDO

 

 

DO ACRE PARA O MUNDO

 

 

DO ACRE PARA O MUNDO

 

DO ACRE PARA O MUNDO

 

DO ACRE PARA O MUNDO

 

DO ACRE PARA O MUNDO

 

O Brasil e o mundo desembarcam no Acre para a 1ª edição do Festival Internacional LGBTQIA+ Transamazônico, que percorre mais de 20 horas de programação, divididas em 5 dias, com 13 filmes e bate-papos totalmente gratuitos e virtuais.

O Transamazônico nasce no coração da Amazônia, em Rio Branco, para se tornar referência no empoderamento das produções cinematográficas da comunidade LGBTQIA+, além de promover debates e reflexões sobre questões de gênero, identidade e cidadania.

Nesta primeira edição, serão 13 longas-metragens, entre documentários e obras de ficção, realizados no Brasil e no Mundo com diferentes propostas artísticas e relevantes abordagens das pautas da comunidade LGBTQIA+.

Este projeto é realizado com recurso da Lei Emergencial Aldir Blanc através da Fundação Elias Mansour (FEM).



FICHA TÉCNICA

Produção Executiva – Karla Martins | Coordenador Geral – Moisés Alencastro | Product Manager – Branca Schulz  | Comunicação – Leandrinha Du Art | Curadoria – Marcelo Cordero | Coordenadora de comunicação – Nívea Furtado | Assessoria de Imprensa / Social Media – Maria Meireles e Rhenan Soares | Produtora de Exibição – Clara Lis | Artista Gráfico – Henrique de Almeida | Desenvolvimento site – Re/System Kelly Batista

 

FICHA TÉCNICA

Produção Executiva – Karla Martins
Coordenador Geral Moisés Alencastro
Product Manager: Branca Schulz
Comunicação:   Leandrinha Du Art – Mídia Ninja
Curadoria :  Marcelo Cordero
Coordenadora de comunicação : Nívea Furtado
Assessoria de Imprensa / Social Media : Maria Meireles e Rhenan Soares
Produtora de Exibição : Clara Lis 
Artista Gráfico : Henrique de Almeida 
Desenvolvimento site : Re/System Kelly Batista

PROGRAMAÇÃO COMPLETA

 

PROGRAMAÇÃO COMPLETA

<

PROGRAMAÇÃO COMPLETA

LISTA DE FILMES

 

LISTA DE FILMES

 

LISTA DE FILMES

PRAZER EM CONHECER




Classificação indicativa – 16anos

 

Direção: Susanna Lira
Brasil, 2020, 72 minutos

 

 SINOPSE:

“Prazer em Conhecer” é um documentário de longa-metragem que lança um olhar sobre a sexualidade LGBT contemporânea. A recente chegada ao Brasil de novas formas de prevenção – a PrEP (Profilaxia de Pré Exposição) e a PEP (Profilaxia de Pós-Exposição) – medicamentos que prometem uma maior  eficácia contra a transmissão e o contágio por HIV/Aids – possibilitou um intenso exercício de práticas sexuais, trazendo novas formas de cuidado para além do uso do preservativo. Através de um registro íntimo e observacional, o filme se despe de qualquer julgamento moral para mergulhar no cotidiano de usuários de PrEP, trazendo à tona reflexões sobre desejo, sexo e proteção.

 

 

VERÃO DE 85



Classificação indicativa – 14 anos

 

Direção: François Ozon
França, 2020, 90 minutos

 

 SINOPSE:

Verão de 85 se passa em um verão da década de 80. No aniversário de 16 anos, Alexis (Félix Lefebvre), enquanto está no mar da costa da Normandia, é  heroicamente salvo da morte por David (Benjamin Voisin), de 18 anos. Alexis acaba de conhecer o amigo dos seus sonhos, mas será que esse sonho vai durar mais que um verão?

 

 

 

AS CORES DO DIVINO



Classificação indicativa – 16 anos

 

Direção: Victor Costa Lopes
Brasil, 2020, 78 minutos

 SINOPSE:

Documentário realizado a partir de conversas com pessoas LGBT+, unidas por
um traço em comum: todas já fizeram parte (ou ainda fazem) de alguma
instituição religiosa. O filme traça um instigante panorama sobre a relação entre
religião e sexualidade.
Com Mariínha Pires, Leo da Silva, Baba Cleudo de Oxum, Rosângela da Silva,
Keyla de Oliveira, Melissa Reis, Bruno dos Reis, Dario Bezerra, Karine Queiroz,
Fernando de Freitas e Vanderlei Nogueira

 

 

LIMIAR



Classificação indicativa – Livre

 

Direção: Coraci Ruiz
Brasil, 2020, 73 minutos

 SINOPSE:

“Limiar” é um documentário autobiográfico realizado por uma mãe que acompanha a transição de gênero de seu filho adolescente: entre 2016 e 2019 ela o entrevista abordando os conflitos, certezas e incertezas que o perpassam numa busca profunda por sua identidade. Ao mesmo tempo a mãe, revelada por meio de uma narração em primeira pessoa e por sua voz que conversa com o filho por detrás da câmera, passa ela também por um processo de transformação que a obriga a romper velhos paradigmas, enfrentar medos e desmantelar preconceitos

 

 

PARA ONDE VOAM AS FEITICEIRAS



Classificação indicativa – 14 anos

Direção:Eliane Caffé, Carla Caffé e Beto Amaral
Brasil, 2020, 89 minutos

 SINOPSE:

Para onde voam as feiticeiras acompanha a deriva de encenações e improvisos de sete artistas pelas ruas do centro de São Paulo em uma experiência cinematográfica que torna visível a persistência de preconceitos arcaicos de gênero e raça no imaginário comum. No centro desta narrativa polifônica está a importância da resistência política através das alianças de luta comum entre coletivos LGBTQIA+, negritude, indígenas e trabalhadores sem teto.



VIL, MÁ (BRASIL)



Classificação indicativa – 14 anos

 

Direção: Gustavo Vinagre
Brasil, 2020, 80 minutos

 SINOPSE:

Wilma Azevedo é uma escritora de contos eróticos e dominatrix de 74 anos. Mas ela é também Edivina Ribeiro, jornalista, mãe de 3 filhos, religiosa e esposa dedicada. Qual delas criou a outra?

 

VENTO SECO



Classificação indicativa – 18 anos

 

Direção: Daniel Nolasco
Brasil, 2020, 78′

 SINOPSE:

A área em torno do catalão, no estado de Goiás, no Brasil, é muito seca. A vida de Sandro é um tanto monótona. Ele trabalha em uma fábrica de fertilizantes, vai nadar e passa a noite fazendo quebra-cabeças de paisagens. Sandro tem um relacionamento puramente sexual com seu colega Ricardo.

 

PASSOU



Classificação indicativa – 16 anos

 

Direção: Felipe André Silva
Brasil, 2020, 70 minutos

 SINOPSE:

Fábio amava Pedro, que sentia algo por Carlos, que não sabia o que esperar de Fábio. Agora tudo isso já passou e não há porque olhar para trás.

 

 

 

BAJO MI PIEL MORENA



Classificação indicativa – 16 anos

 

Direção: José Celestino Campusano
Argentina, 2019, 89 minutos

 SINOPSE:

Morena é uma mulher trans que mora com a mãe na zona sul dos subúrbios de Buenos Aires. Durante sua vida adulta, Morena trabalhou apenas em oficinas têxteis, ela está determinada a nunca ter acesso ao sexo pago.
Morena tem duas amigas trans, Claudia – que se formou como professora e está prestes a iniciar sua primeira substituição – e Myriam, que, por ser muito jovem e bonita, pratica a prostituição com proteção policial. Todos eles se chocam, por mais que tentem evitar, um mundo cheio de preconceitos. Mas em suas vidas também há pequenas vitórias, grandes gestos de solidariedade que surgem em lugares inesperados e que os ajudam a se levantar em um contexto hostil.

 

 

EL SILENCIO ES UN CUERPO QUE CAE



Classificação indicativa – 16 anos

 

Direção: Agustina Comedi
Argentina, 2018, 75 minutos

 

 SINOPSE:

Jaime filmou tudo, inclusive sua própria morte. Dele, sua filha tinha centenas de horas restantes de vídeos caseiros e alguns incertezas. Porque, como muitos pessoas de sua geração, Jaime viveu em segredo. Ele, talvez, duplamente. As imagens que Jaime filmou foram ressignificar-se para levantar questões sobre desejo, sexualidade, liberdade e família. “O silêncio é um corpo que cai” é a jornada a um passado íntimo, filial e também político.

 

 

 

EL TRIUNFO DE SODOMA



Classificação indicativa – 18 anos

 

Direção: Goyo Anchou
Argentina, 2020, 84 minutos

 SINOPSE:

Um poeta revê sua ligação com um comando pornoterrorista que propõe a aniquilação do anarco-capitalismo patriarcal. Filme coletivo realizado com um grupo de jovens marginalizados, vários deles em situação de prostituição. É uma narrativa semi-documental feita com sonhos induzidos pela raiva e pela fome, sob as premissas do cinema de guerrilha, sem instituições para moderar seu conteúdo provocativo e com uma linguagem enraizada na tradição do cinema revolucionário latino-americano.

 

 

 

MEU NOME É BAGDÁ



Classificação indicativa – 14 anos

 

Direção: Caru Alves de Souza
Brasil, 2020, 99 minutos

 

 SINOPSE:

Bagdá é uma skatista de 17 anos, que vive na Freguesia do Ó, um bairro da periferia da cidade de São Paulo. Bagdá anda de skate com um grupo de meninos skatistas do bairro e passa boa parte de seu tempo com sua família e as amigas de sua mãe. Juntas elas formam um grupo de mulheres pouco convencionais. Quando Bagdá finalmente encontra um grupo de meninas skatistas, sua vida muda..

 

ALFABETO SEXUAL



Classificação indicativa – 18 anos

 

Direção: André Medeiros Martins
Brasil, 2020, 80 minutos

 SINOPSE:

André e Hudson se encontram e se apaixonam. O primeiro trabalha com performances pornográficas, e o segundo, enquanto professor universitário. Conforme André traz Hudson para o seu mundo e o marido integra os vídeos sexuais, o relacionamento de ambos é abalado ao limite da ruptura.

 

PRAZER EM CONHECER

FILME

Classificação indicativa – 16anos

 

Direção: Susanna Lira
Brasil, 2020, 72 minutos

 

SINOPSE:

“Prazer em Conhecer” é um documentário de longa-metragem que lança um
olhar sobre a sexualidade LGBT contemporânea. A recente chegada ao Brasil
de novas formas de prevenção – a PrEP (Profilaxia de Pré Exposição) e a PEP
(Profilaxia de Pós-Exposição) – medicamentos que prometem uma maior
eficácia contra a transmissão e o contágio por HIV/Aids – possibilitou um
intenso exercício de práticas sexuais, trazendo novas formas de cuidado para
além do uso do preservativo. Através de um registro íntimo e observacional, o
filme se despe de qualquer julgamento moral para mergulhar no cotidiano de
usuários de PrEP, trazendo à tona reflexões sobre desejo, sexo e proteção. 




VERÃO DE 85

FILME

Classificação indicativa – 14 anos

 

Direção: François Ozon
França, 2020, 90 minutos

 

SINOPSE:

Verão de 85 se passa em um verão da década de 80. No aniversário de 16 anos,
Alexis (Félix Lefebvre), enquanto está no mar da costa da Normandia, é
heroicamente salvo da morte por David (Benjamin Voisin), de 18 anos. Alexis
acaba de conhecer o amigo dos seus sonhos, mas será que esse sonho vai
durar mais que um verão?




AS CORES DO DIVINO

FILME

Classificação indicativa – 16 anos

 

Direção: Victor Costa Lopes
Brasil, 2020, 78 minutos

 

SINOPSE:

Documentário realizado a partir de conversas com pessoas LGBT+, unidas por
um traço em comum: todas já fizeram parte (ou ainda fazem) de alguma
instituição religiosa. O filme traça um instigante panorama sobre a relação entre
religião e sexualidade.
Com Mariínha Pires, Leo da Silva, Baba Cleudo de Oxum, Rosângela da Silva,
Keyla de Oliveira, Melissa Reis, Bruno dos Reis, Dario Bezerra, Karine Queiroz,
Fernando de Freitas e Vanderlei Nogueira.




LIMIAR

FILME

Classificação indicativa – Livre

 

Direção: Coraci Ruiz
Brasil, 2020, 73 minutos

 

SINOPSE:

“Limiar” é um documentário autobiográfico realizado por uma mãe que acompanha a transição de gênero de seu filho adolescente: entre 2016 e 2019 ela o entrevista abordando os conflitos, certezas e incertezas que o perpassam numa busca profunda por sua identidade. Ao mesmo tempo a mãe, revelada por meio de uma narração em primeira pessoa e por sua voz que conversa com o filho por detrás da câmera, passa ela também por um processo de transformação que a obriga a romper velhos paradigmas, enfrentar medos e desmantelar preconceitos




PARA ONDE VOAM AS FEITICEIRAS

 

FILME

Classificação indicativa – 14 anos

 

Direção: Eliane Caffé, Carla Caffé e Beto Amaral
Brasil, 2020, 89 minutos

 

SINOPSE:

Para onde voam as feiticeiras acompanha a deriva de encenações e improvisos
de sete artistas pelas ruas do centro de São Paulo em uma experiência
cinematográfica que torna visível a persistência de preconceitos arcaicos de
gênero e raça no imaginário comum. No centro desta narrativa polifônica está a
importância da resistência política através das alianças de luta comum entre
coletivos LGBTQIA+, negritude, indígenas e trabalhadores sem teto.




VIL, MÁ (BRASIL)

FILME

Classificação indicativa – 14 anos

 

Direção: Gustavo Vinagre
Brasil, 2020, 80 minutos

 

 

SINOPSE:

Wilma Azevedo é uma escritora de contos eróticos e dominatrix de 74 anos. Mas
ela é também Edivina Ribeiro, jornalista, mãe de 3 filhos, religiosa e esposa
dedicada. Qual delas criou a outra?




VENTO SECO (BRASIL)

FILME

Classificação indicativa – 18 anos

 

 

Direção: Daniel Nolasco
Brasil, 2020, 78′

 

SINOPSE:

A área em torno do catalão, no estado de Goiás, no Brasil, é muito seca. A vida
de Sandro é um tanto monótona. Ele trabalha em uma fábrica de fertilizantes, vai
nadar e passa a noite fazendo quebra-cabeças de paisagens. Sandro tem um
relacionamento puramente sexual com seu colega Ricardo.




PASSOU

FILME

Classificação indicativa – 16 anos

 

 

Direção: Felipe André Silva
Brasil, 2020, 70 minutos

 

SINOPSE:

Fábio amava Pedro, que sentia algo por Carlos, que não sabia o que esperar de
Fábio. Agora tudo isso já passou e não há porque olhar para trás.




BAJO MI PIEL MORENA

FILME

Classificação indicativa – 16 anos

 

 

Direção: José Celestino Campusano
Argentina, 2019, 89 minutos

 

SINOPSE:

Morena é uma mulher trans que mora com a mãe na zona sul dos subúrbios de
Buenos Aires. Durante sua vida adulta, Morena trabalhou apenas em oficinas
têxteis, ela está determinada a nunca ter acesso ao sexo pago.

Morena tem duas amigas trans, Claudia – que se formou como professora e está
prestes a iniciar sua primeira substituição – e Myriam, que, por ser muito jovem e
bonita, pratica a prostituição com proteção policial.
Todos eles se chocam, por mais que tentem evitar, um mundo cheio de
preconceitos. Mas em suas vidas também há pequenas vitórias, grandes gestos
de solidariedade que surgem em lugares inesperados e que os ajudam a se
levantar em um contexto hostil.




EL SILENCIO ES UN CUERPO QUE CAE

FILME

Classificação indicativa – 16 anos

 

 

Direção: Agustina Comedi
Argentina, 2018, 75 minutos

 

SINOPSE:

Jaime filmou tudo, inclusive sua própria morte. Dele, sua filha tinha centenas de
horas restantes de vídeos caseiros e alguns incertezas. Porque, como muitos
pessoas de sua geração, Jaime viveu em segredo. Ele, talvez, duplamente. As
imagens que Jaime filmou foram ressignificar-se para levantar questões sobre
desejo, sexualidade, liberdade e família. “O silêncio é um corpo que cai” é a
jornada a um passado íntimo, filial e também político.




EL TRIUNFO DE SODOMA

FILME

Classificação indicativa – 18 anos

 

 

Direção: Goyo Anchou
Argentina, 2020, 84 minutos

 

 

 

SINOPSE:

Um poeta revê sua ligação com um comando pornoterrorista que propõe a
aniquilação do anarco-capitalismo patriarcal. Filme coletivo realizado com um
grupo de jovens marginalizados, vários deles em situação de prostituição. É
uma narrativa semi-documental feita com sonhos induzidos pela raiva e pela
fome, sob as premissas do cinema de guerrilha, sem instituições para moderar
seu conteúdo provocativo e com uma linguagem enraizada na tradição do
cinema revolucionário latino-americano.




MEU NOME É BAGDÁ

FILME

Classificação indicativa – 14 anos

 

 

Direção: Caru Alves de Souza
BRASIL, 2020, 99 minutos

 

SINOPSE:

Bagdá é uma skatista de 17 anos, que vive na Freguesia do Ó, um bairro da
periferia da cidade de São Paulo. Bagdá anda de skate com um grupo de
meninos skatistas do bairro e passa boa parte de seu tempo com sua família e
as amigas de sua mãe. Juntas elas formam um grupo de mulheres pouco
convencionais. Quando Bagdá finalmente encontra um grupo de meninas
skatistas, sua vida muda..




ALFABETO SEXUAL

FILME

Classificação indicativa – 18 anos

 

 

Direção: André Medeiros Martins
Brasil, 2020, 80 minutos

 

SINOPSE:

André e Hudson se encontram e se apaixonam. O primeiro trabalha com
performances pornográficas, e o segundo, enquanto professor universitário.
Conforme André traz Hudson para o seu mundo e o marido integra os vídeos
sexuais, o relacionamento de ambos é abalado ao limite da ruptura.

LISTA DE FILMES

 

LISTA DE FILMES

 

LISTA DE FILMES

PRAZER EM CONHECER




Classificação indicativa – 16anos

 

Direção: Susanna Lira
Brasil, 2020, 72 minutos

 

 SINOPSE:

“Prazer em Conhecer” é um documentário de longa-metragem que lança um olhar sobre a sexualidade LGBT contemporânea. A recente chegada ao Brasil de novas formas de prevenção – a PrEP (Profilaxia de Pré Exposição) e a PEP (Profilaxia de Pós-Exposição) – medicamentos que prometem uma maior  eficácia contra a transmissão e o contágio por HIV/Aids – possibilitou um intenso exercício de práticas sexuais, trazendo novas formas de cuidado para além do uso do preservativo. Através de um registro íntimo e observacional, o filme se despe de qualquer julgamento moral para mergulhar no cotidiano de usuários de PrEP, trazendo à tona reflexões sobre desejo, sexo e proteção.

 

 

VERÃO DE 85



Classificação indicativa – 14 anos

 

Direção: François Ozon
França, 2020, 90 minutos

 

 SINOPSE:

Verão de 85 se passa em um verão da década de 80. No aniversário de 16 anos, Alexis (Félix Lefebvre), enquanto está no mar da costa da Normandia, é  heroicamente salvo da morte por David (Benjamin Voisin), de 18 anos. Alexis acaba de conhecer o amigo dos seus sonhos, mas será que esse sonho vai durar mais que um verão?

 

AS CORES DO DIVINO



Classificação indicativa – 16 anos

 

Direção: Victor Costa Lopes
Brasil, 2020, 78 minutos

 SINOPSE:

Documentário realizado a partir de conversas com pessoas LGBT+, unidas por
um traço em comum: todas já fizeram parte (ou ainda fazem) de alguma
instituição religiosa. O filme traça um instigante panorama sobre a relação entre
religião e sexualidade.
Com Mariínha Pires, Leo da Silva, Baba Cleudo de Oxum, Rosângela da Silva,
Keyla de Oliveira, Melissa Reis, Bruno dos Reis, Dario Bezerra, Karine Queiroz,
Fernando de Freitas e Vanderlei Nogueira

 

 

LIMIAR



Classificação indicativa – Livre

 

Direção: Coraci Ruiz
Brasil, 2020, 73 minutos

 SINOPSE:

“Limiar” é um documentário autobiográfico realizado por uma mãe que acompanha a transição de gênero de seu filho adolescente: entre 2016 e 2019 ela o entrevista abordando os conflitos, certezas e incertezas que o perpassam numa busca profunda por sua identidade. Ao mesmo tempo a mãe, revelada por meio de uma narração em primeira pessoa e por sua voz que conversa com o filho por detrás da câmera, passa ela também por um processo de transformação que a obriga a romper velhos paradigmas, enfrentar medos e desmantelar preconceitos

 

 

PARA ONDE VOAM AS FEITICEIRAS



Classificação indicativa – 14 anos

Direção:Eliane Caffé, Carla Caffé e Beto Amaral
Brasil, 2020, 89 minutos

 SINOPSE:

Para onde voam as feiticeiras acompanha a deriva de encenações e improvisos de sete artistas pelas ruas do centro de São Paulo em uma experiência cinematográfica que torna visível a persistência de preconceitos arcaicos de gênero e raça no imaginário comum. No centro desta narrativa polifônica está a importância da resistência política através das alianças de luta comum entre coletivos LGBTQIA+, negritude, indígenas e trabalhadores sem teto.



VIL, MÁ (BRASIL)



Classificação indicativa – 14 anos

 

Direção: Gustavo Vinagre
Brasil, 2020, 80 minutos

 SINOPSE:

Wilma Azevedo é uma escritora de contos eróticos e dominatrix de 74 anos. Mas ela é também Edivina Ribeiro, jornalista, mãe de 3 filhos, religiosa e esposa dedicada. Qual delas criou a outra?

 

VENTO SECO



Classificação indicativa – 18 anos

 

Direção: Daniel Nolasco
Brasil, 2020, 78′

 SINOPSE:

A área em torno do catalão, no estado de Goiás, no Brasil, é muito seca. A vida de Sandro é um tanto monótona. Ele trabalha em uma fábrica de fertilizantes, vai nadar e passa a noite fazendo quebra-cabeças de paisagens. Sandro tem um relacionamento puramente sexual com seu colega Ricardo.

 

PASSOU



Classificação indicativa – 16 anos

 

Direção: Felipe André Silva
Brasil, 2020, 70 minutos

 SINOPSE:

Fábio amava Pedro, que sentia algo por Carlos, que não sabia o que esperar de Fábio. Agora tudo isso já passou e não há porque olhar para trás.

 

 

 

 

 

BAJO MI PIEL MORENA



Classificação indicativa – 16 anos

 

Direção: José Celestino Campusano
Argentina, 2019, 89 minutos

 SINOPSE:

Morena é uma mulher trans que mora com a mãe na zona sul dos subúrbios de Buenos Aires. Durante sua vida adulta, Morena trabalhou apenas em oficinas têxteis, ela está determinada a nunca ter acesso ao sexo pago.
Morena tem duas amigas trans, Claudia – que se formou como professora e está prestes a iniciar sua primeira substituição – e Myriam, que, por ser muito jovem e bonita, pratica a prostituição com proteção policial. Todos eles se chocam, por mais que tentem evitar, um mundo cheio de preconceitos. Mas em suas vidas também há pequenas vitórias, grandes gestos de solidariedade que surgem em lugares inesperados e que os ajudam a se levantar em um contexto hostil.

 

 

EL SILENCIO ES UN CUERPO QUE CAE



Classificação indicativa – 16 anos

 

Direção: Agustina Comedi
Argentina, 2018, 75 minutos

 

 SINOPSE:

Jaime filmou tudo, inclusive sua própria morte. Dele, sua filha tinha centenas de horas restantes de vídeos caseiros e alguns incertezas. Porque, como muitos pessoas de sua geração, Jaime viveu em segredo. Ele, talvez, duplamente. As imagens que Jaime filmou foram ressignificar-se para levantar questões sobre desejo, sexualidade, liberdade e família. “O silêncio é um corpo que cai” é a jornada a um passado íntimo, filial e também político.

 

 

 

EL TRIUNFO DE SODOMA



Classificação indicativa – 18 anos

 

Direção: Goyo Anchou
Argentina, 2020, 84 minutos

 SINOPSE:

Um poeta revê sua ligação com um comando pornoterrorista que propõe a aniquilação do anarco-capitalismo patriarcal. Filme coletivo realizado com um grupo de jovens marginalizados, vários deles em situação de prostituição. É uma narrativa semi-documental feita com sonhos induzidos pela raiva e pela fome, sob as premissas do cinema de guerrilha, sem instituições para moderar seu conteúdo provocativo e com uma linguagem enraizada na tradição do cinema revolucionário latino-americano.

 

 

 

MEU NOME É BAGDÁ



Classificação indicativa – 14 anos

 

Direção: Caru Alves de Souza
França, 2020, 99 minutos

 

 SINOPSE:

Bagdá é uma skatista de 17 anos, que vive na Freguesia do Ó, um bairro da periferia da cidade de São Paulo. Bagdá anda de skate com um grupo de meninos skatistas do bairro e passa boa parte de seu tempo com sua família e as amigas de sua mãe. Juntas elas formam um grupo de mulheres pouco convencionais. Quando Bagdá finalmente encontra um grupo de meninas skatistas, sua vida muda..

 

ALFABETO SEXUAL



Classificação indicativa – 18 anos

 

Direção: André Medeiros Martins
Brasil, 2020, 80 minutos

 SINOPSE:

André e Hudson se encontram e se apaixonam. O primeiro trabalha com performances pornográficas, e o segundo, enquanto professor universitário. Conforme André traz Hudson para o seu mundo e o marido integra os vídeos sexuais, o relacionamento de ambos é abalado ao limite da ruptura.

 

PRAZER EM CONHECER

FILME

Classificação indicativa – 16anos

 

Direção: Susanna Lira
Brasil, 2020, 72 minutos

 

SINOPSE:

“Prazer em Conhecer” é um documentário de longa-metragem que lança um
olhar sobre a sexualidade LGBT contemporânea. A recente chegada ao Brasil
de novas formas de prevenção – a PrEP (Profilaxia de Pré Exposição) e a PEP
(Profilaxia de Pós-Exposição) – medicamentos que prometem uma maior
eficácia contra a transmissão e o contágio por HIV/Aids – possibilitou um
intenso exercício de práticas sexuais, trazendo novas formas de cuidado para
além do uso do preservativo. Através de um registro íntimo e observacional, o
filme se despe de qualquer julgamento moral para mergulhar no cotidiano de
usuários de PrEP, trazendo à tona reflexões sobre desejo, sexo e proteção. 




VERÃO DE 85

FILME

Classificação indicativa – 14 anos

 

Direção: François Ozon
França, 2020, 90 minutos

 

SINOPSE:

Verão de 85 se passa em um verão da década de 80. No aniversário de 16 anos,
Alexis (Félix Lefebvre), enquanto está no mar da costa da Normandia, é
heroicamente salvo da morte por David (Benjamin Voisin), de 18 anos. Alexis
acaba de conhecer o amigo dos seus sonhos, mas será que esse sonho vai
durar mais que um verão?




AS CORES DO DIVINO

FILME

Classificação indicativa – 16 anos

 

Direção: Victor Costa Lopes
Brasil, 2020, 78 minutos

 

SINOPSE:

Documentário realizado a partir de conversas com pessoas LGBT+, unidas por
um traço em comum: todas já fizeram parte (ou ainda fazem) de alguma
instituição religiosa. O filme traça um instigante panorama sobre a relação entre
religião e sexualidade.
Com Mariínha Pires, Leo da Silva, Baba Cleudo de Oxum, Rosângela da Silva,
Keyla de Oliveira, Melissa Reis, Bruno dos Reis, Dario Bezerra, Karine Queiroz,
Fernando de Freitas e Vanderlei Nogueira.




LIMIAR

FILME

Classificação indicativa – Livre

 

Direção: Coraci Ruiz
Brasil, 2020, 73 minutos

 

SINOPSE:

“Limiar” é um documentário autobiográfico realizado por uma mãe que acompanha a transição de gênero de seu filho adolescente: entre 2016 e 2019 ela o entrevista abordando os conflitos, certezas e incertezas que o perpassam numa busca profunda por sua identidade. Ao mesmo tempo a mãe, revelada por meio de uma narração em primeira pessoa e por sua voz que conversa com o filho por detrás da câmera, passa ela também por um processo de transformação que a obriga a romper velhos paradigmas, enfrentar medos e desmantelar preconceitos




PARA ONDE VOAM AS FEITICEIRAS

 

FILME

Classificação indicativa – 14 anos

 

Direção: Eliane Caffé, Carla Caffé e Beto Amaral
Brasil, 2020, 89 minutos

 

SINOPSE:

Para onde voam as feiticeiras acompanha a deriva de encenações e improvisos
de sete artistas pelas ruas do centro de São Paulo em uma experiência
cinematográfica que torna visível a persistência de preconceitos arcaicos de
gênero e raça no imaginário comum. No centro desta narrativa polifônica está a
importância da resistência política através das alianças de luta comum entre
coletivos LGBTQIA+, negritude, indígenas e trabalhadores sem teto.




VIL, MÁ (BRASIL)

FILME

Classificação indicativa – 14 anos

 

Direção: Gustavo Vinagre
Brasil, 2020, 80 minutos

 

 

SINOPSE:

Wilma Azevedo é uma escritora de contos eróticos e dominatrix de 74 anos. Mas
ela é também Edivina Ribeiro, jornalista, mãe de 3 filhos, religiosa e esposa
dedicada. Qual delas criou a outra?




VENTO SECO (BRASIL)

FILME

Classificação indicativa – 18 anos

 

 

Direção: Daniel Nolasco
Brasil, 2020, 78′

 

SINOPSE:

A área em torno do catalão, no estado de Goiás, no Brasil, é muito seca. A vida
de Sandro é um tanto monótona. Ele trabalha em uma fábrica de fertilizantes, vai
nadar e passa a noite fazendo quebra-cabeças de paisagens. Sandro tem um
relacionamento puramente sexual com seu colega Ricardo.




PASSOU

FILME

Classificação indicativa – 16 anos

 

 

Direção: Felipe André Silva
Brasil, 2020, 70 minutos

 

SINOPSE:

Fábio amava Pedro, que sentia algo por Carlos, que não sabia o que esperar de
Fábio. Agora tudo isso já passou e não há porque olhar para trás.




BAJO MI PIEL MORENA

FILME

Classificação indicativa – 16 anos

 

 

Direção: José Celestino Campusano
Argentina, 2019, 89 minutos

 

SINOPSE:

Morena é uma mulher trans que mora com a mãe na zona sul dos subúrbios de
Buenos Aires. Durante sua vida adulta, Morena trabalhou apenas em oficinas
têxteis, ela está determinada a nunca ter acesso ao sexo pago.

Morena tem duas amigas trans, Claudia – que se formou como professora e está
prestes a iniciar sua primeira substituição – e Myriam, que, por ser muito jovem e
bonita, pratica a prostituição com proteção policial.
Todos eles se chocam, por mais que tentem evitar, um mundo cheio de
preconceitos. Mas em suas vidas também há pequenas vitórias, grandes gestos
de solidariedade que surgem em lugares inesperados e que os ajudam a se
levantar em um contexto hostil.




EL SILENCIO ES UN CUERPO QUE CAE

FILME

Classificação indicativa – 16 anos

 

 

Direção: Agustina Comedi
Argentina, 2018, 75 minutos

 

SINOPSE:

Jaime filmou tudo, inclusive sua própria morte. Dele, sua filha tinha centenas de
horas restantes de vídeos caseiros e alguns incertezas. Porque, como muitos
pessoas de sua geração, Jaime viveu em segredo. Ele, talvez, duplamente. As
imagens que Jaime filmou foram ressignificar-se para levantar questões sobre
desejo, sexualidade, liberdade e família. “O silêncio é um corpo que cai” é a
jornada a um passado íntimo, filial e também político.




EL TRIUNFO DE SODOMA

FILME

Classificação indicativa – 18 anos

 

 

Direção: Goyo Anchou
Argentina, 2020, 84 minutos

 

 

 

SINOPSE:

Um poeta revê sua ligação com um comando pornoterrorista que propõe a
aniquilação do anarco-capitalismo patriarcal. Filme coletivo realizado com um
grupo de jovens marginalizados, vários deles em situação de prostituição. É
uma narrativa semi-documental feita com sonhos induzidos pela raiva e pela
fome, sob as premissas do cinema de guerrilha, sem instituições para moderar
seu conteúdo provocativo e com uma linguagem enraizada na tradição do
cinema revolucionário latino-americano.




MEU NOME É BAGDÁ

FILME

Classificação indicativa – 14 anos

 

 

Direção: Caru Alves de Souza
França, 2020, 99 minutos

 

SINOPSE:

Bagdá é uma skatista de 17 anos, que vive na Freguesia do Ó, um bairro da
periferia da cidade de São Paulo. Bagdá anda de skate com um grupo de
meninos skatistas do bairro e passa boa parte de seu tempo com sua família e
as amigas de sua mãe. Juntas elas formam um grupo de mulheres pouco
convencionais. Quando Bagdá finalmente encontra um grupo de meninas
skatistas, sua vida muda..




ALFABETO SEXUAL

FILME

Classificação indicativa – 18 anos

 

 

Direção: André Medeiros Martins
Brasil, 2020, 80 minutos

 

SINOPSE:

André e Hudson se encontram e se apaixonam. O primeiro trabalha com
performances pornográficas, e o segundo, enquanto professor universitário.
Conforme André traz Hudson para o seu mundo e o marido integra os vídeos
sexuais, o relacionamento de ambos é abalado ao limite da ruptura.

IMPRENSA

 

IMPRENSA

 

IMPRENSA

 

IMPRENSA

 

IMPRENSA

 

IMPRENSA

 

Assessoria de Imprensa: 


Maria Meireles – (68) 99969-8926
Nívea Furtado – (61) 98165-4802
Rhenan Soares – (61) 98646-3902


E-mail: [email protected]

CONTATO

 

CONTATO

<

CONTATO

<

CONTATO

<

CONTATO

CONTATO

 

CONTATO

<

CONTATO


CONTATO

<

CONTATO

Vamos conversar?

[email protected]

“A história de Jaime é uma desculpa para canalizar e retratar preconceitos contra a identidade sexual para além de um partido político, ao mesmo tempo em que também o influenciou naquela época. Por outro lado, faz-se uma leitura sobre uma gaiola mental e o sofrimento de quem teve que negar sua identidade ou sacrificá-la por mandatos sociais.”
Noelia Giacometto / Cinéfilo Serial

 

M

“O prolífico diretor recupera boa parte do poder e da capacidade de surpresa de seus primeiros filmes com essa história que, a partir da ficção, reconstrói aspectos reais das histórias de vida de várias transexuais e travestis da periferia sul de Buenos Aires.”
Diego Batlle / Otros Cines

M

“François Ozon pode não ser o maior cineasta do mundo, mas está longe de ser bobo. Digamos, aliás, que de seus filmes podemos esperar qualquer coisa — sua carreira às vezes parece uma montanha-russa. Ele se dá melhor trabalhando personagens como David, capaz de transmitir certo mistério, um não dito, a tudo o que o cerca.”
Inácio Araujo / Folha de São Paulo

M

“A história de Jaime é uma desculpa para canalizar e retratar preconceitos contra a identidade sexual para além de um partido político, ao mesmo tempo em que também o influenciou naquela época. Por outro lado, faz-se uma leitura sobre uma gaiola mental e o sofrimento de quem teve que negar sua identidade ou sacrificá-la por mandatos sociais.”
Noelia Giacometto / Cinéfilo Serial

 

M

“A odisséia desse personagem nos leva da Índia a Hong Kong e de volta a Buenos Aires nas mãos de seu parceiro. Com uma estética digna do cinema de guerrilha, mesclada a vários momentos oníricos, nos leva a repensar a realidade que habitamos e a que não habitamos.
Francisco Mendes Moas / Cine Argentino Hoy

M

“O ponto de partida deste documentário é fascinante. O diretor decide investigar de que maneira indivíduos LGBTQs religiosos convivem com grupos conservadores, e como interpretam os dogmas contrários à sua própria existência ou identidade.”
Bruno Carmelo / Papo de Cinema

M

“É o cinema de rua, o cinema impulsionado essencialmente pelo o que se vê, o que se sente e o que se guarda a partir da experiência de viver o que existe lá fora. Arte e realidade se chocam e resultam em uma experiência tão imprevisível quanto indispensável.”
Barbara Demerov / AdoroCinema

M

Passou (Brasil)
“Uma ciranda de amores ajuda a desenvolver sua narrativa episódica que avança desordenadamente pelo tempo. Com sua prosa acessível e seus atalhos elípticos que nos permite flagrar os instantâneos de cada um de seus homens, invade os universos não apenas de quem está debaixo de suas asas, como também do espectador que se identifica nos relatos devassados em seu filme.”
Francisco Carbone / Cenas de Cinema
M

“Um retrato das taras, do exercício da sensualidade e das possibilidades extremas que esse aspecto de nosso desejo pode ter para diferentes pessoas. O filme é uma viagem compensadora pelo mundo da criatividade literária sadomasoquista e pela faceta dolorosa do erotismo, tudo do ponto de vista de uma mulher dominadora. Difícil não se interessar pela obra.”
Luiz Santiago / Plano Crítico

M

“Irrompe convenções com o uso da nudez e do sexo homoerótico, para figurar um senso comum que une o espaço de todos os personagens do filme: a firma. Ao final, um abraço coletivo que une Sandro, Maicon e Ricardo é conduzida por uma consciência de classe que acentua a horizontalidade de todos eles.”
Adolfo Molina Neto / Orbe Zero

M

Q

Verão de 85

“François Ozon pode não ser o maior cineasta do mundo, mas está longe de ser bobo. Digamos, aliás, que de seus filmes podemos esperar qualquer coisa — sua carreira às vezes parece uma montanha-russa. Ele se dá melhor trabalhando personagens como David, capaz de transmitir certo mistério, um não dito, a tudo o que o cerca.”
Inácio Araujo / Folha de São Paulo

Q

Verão de 85

“François Ozon pode não ser o maior cineasta do mundo, mas está longe de ser bobo. Digamos, aliás, que de seus filmes podemos esperar qualquer coisa — sua carreira às vezes parece uma montanha-russa. Ele se dá melhor trabalhando personagens como David, capaz de transmitir certo mistério, um não dito, a tudo o que o cerca.”
Inácio Araujo / Folha de São Paulo